domingo, 24 de novembro de 2013

Meu eu sôfrego

Depois de muito tempo disfarçando-me de risos falsos, "tudo bem" nada sinceros, decidi abrir o jogo e procurar o melhor pra mim.
Já cometi alguns erros, me arrependi, me doí, sangrei e percebi que lágrimas não são suficientes para curar a dor contida dentro de mim.
Achei que a passagem do tempo traria algo bom, mas não foi isso que aconteceu.
Tentei me manter forte, tentei ser forte, como sempre aparentei.
Tentei seguir em frente, não olhar pra trás, tentar ser feliz de novo.
Tentei não enxergar meus defeitos e medos, tentei mascarar tudo o que me fazia mal.
Mas não deu.
Não fui feita de máscaras para manter-me assim, disfarçada.
A verdade é que a dor, enfim, se expôs.
Minha carne hoje sangra, ferida, apesar de ainda se manter pulsante.
Meus medos são evidentes e transparecem a cada suspiro meu.
A verdade se refaz, com todo sua loucura e insatisfação.
Mas enfim mudo de rumo.
Estou buscando, finalmente, o auxílio ideal.