sábado, 15 de janeiro de 2011

Dúvidas de uma cética

Me disseram, certa vez, que quando você pensa na pessoa que vocêe ama sua pupíla dilata. Na minha, na verdade, nada acontece. Nothing.
- Boa notícia! Talvez você não goste mais de ninguém, darling! Congratulations girl!
Mas porque será então que quando estou em minha fulgaz existência e, por acaso, me perguntam de quem eu gosto ainda penso naquele alguém?
É um tanto estranho, como se sua imagem estivesse desbotada o suficiente para ser esquecida. as não o suficiente para ser apagada.
Deve ser bom ser assim - sem amor, sem dor, nem sonhos.
Não digo de um manequim, incapaz de pensar, mas de uma pessoa racional o suficiente para gostar apenas do que lhe faz bem, desde frutas até pessoas que merecem o seu respeito.
É, essa não foi a melhor das comparações, mas é que muitas vezes preferimos escolher um doce calórico e gorduroso à uma fruta nutritiva e magra. Assim como as pessoas.
Normalmente valorizamos apenas quem merece nosso desprezo e desprezamos aqueles que merecem nosso amor. Que estranho, não?!
As respostas eu busco, assim como qualquer pessoa, só espero que elas não estejam tão distantes quanto o meu desapego emocional.

Bells