domingo, 12 de dezembro de 2010

Aprendendo a ser sozinho


Aprendi a ser sozinha e encontrar na minha solidão uma forma alternativa de ser feliz. Não que eu menospreze os demais que me rodeiam ou que me ache superior a eles. Não é isso.
É que eu percebi com o tempo, que ficar sozinha pode ser muito bom e aprender a conviver com seu próprio eu interior é algo impressionante. Por exemplo, normalmente tenho inspiração e momentos criativos, principalmente, nas horas em que me encontro completamente sozinha, apenas com meu eu interior. E é nessas horas que eu percebo que apesar da solidão e do vazio que fica pela falta das pessoas, é possível sim viver sozinho quando se tem equilíbrio.
Não estou aqui dizendo que as pessoas devem permanecer solteiras e jamais estabelecerem relacionamentos afetivos, mas sim que é possível viver sem que a falta disso tudo desgaste a vida.
A presença de amigos e companheiros é sim essencial, mas aprender que na ausência deles a sua própria companhia é a melhor opção é uma forma de equilibrar o modo de ver o mundo e diminuir a carência afetiva, isto é, se amando antes de tudo para depois amar os outros.

Is.