domingo, 18 de abril de 2010

Durante muito tempo, fico pensando na motivação que nos faz levantar cada manhã e construir, ou mesmo, continuar nosso próprio caminho. Como, mesmo com tanta trsiteza e dor existente em nosso meio, podemos lutar tanto para alcançar, quem sabe um dia, essa tal felicidade?
Alguns dizem que o sentido da vida está no outro, ao passo que, se "perdermos" esse outro, nossa vida não terá nenhum sentido. Outros atribuem o sentido da vida a alegria configurada simplesmente em festas, bebidas, sexo ou mesmo drogas, que se com o tempo não forem cessadas, destruirão que as abusa. E há ainda aqueles que dizem que cada um tem seu proprio destino, que pode ser indicado através das estrelas, dos oráculos, da quiromacia ou pela determinação soberana de Deus.
Acreditos em muitas coisas... Uma delas é que não podemos atribuir o valor de nossa vida a presença de alguém, porque afinal, não somos donos de ninguém e não pertencemos a ninguém. Outra, é que eu não vejo essas "fórmulas da felicidade", como as citadas acima, como verdadeiras, pois elas só causam dependências e falta de amor próprio. E por ultimo, que eu não creio que exista algum força no universo capaz de coordenar cada passo que eu dou, cada palavra que saia da minha boca ou pelo menos, cada pensamento que se passa na minha cabeça. É muito fácil atribuir tudo ao destino, às estrelas, à quiromacia ou mesmo a Deus. "Ela se casou com a graça de Santo Antônio!", "Estava escrito nas estrelas que eu te encontraria" , "Foi o destino que nos trouxe aqui" ou simplesmente "Foi da vontade de Deus!".
Que mania chata que o ser humano tem de atribuir tudo o que acontece ao seu redor às "forças que o regem". Não acredito no poder do destino, nem na astrologia, nem na quiromacia. Não acredito em um Deus imperialista que escolhe o tanto que cada um deve sofrer ou beneficiar-se, e decie simplesmente o caminho a ser seguido por cada um, pois se fosse assim o mundo não teria todas essa tragédia e estaria em total harmonia. Para mim é mais que isso. NaquEle que eu acredito, não há predeterminações; Ele somente já sabe o que vai ocorrer a cada passo dado, mas deixa que escolhamos nossos próprios caminhos.
Deixemos então, de atribuir o que nos acontece ao mundo e ao nosso redor, e esquecendo dessa maneira prática e fácil, estaremos reinventando novamente, o nosso próprio caminho.

Is.